Stock de escritórios de Lisboa deverá crescer 5,9 % até 2012

21 Outubro 2008



De acordo com os últimos dados apurados pela DTZ, a oferta futura de escritórios em Lisboa para os próximos quatro anos encontra-se estimada em aproximadamente 245.000 m², o que traduz um incremento de 5,9 % do stock existente. Segundo


Entre as tendências mais relevantes neste mercado, a consultora identificou a maior exigência ao nível da sustentabilidade, a maior preocupação com a reabilitação de antigas estruturas e a actualização dos edifícios em conformidade com a nova regulamentação energética. Relativamente ao mercado de retalho, é chamada a atenção para uma maior selectividade do mercado, potenciada sobretudo pela actual conjuntura económica, aliada à diminuição do poder de compra e à diminuição das áreas de influência e cobertura territorial. Tudo isto tem vindo a exigir dos promotores e dos projectos uma «capacidade de inovação e diferenciação acrescidas e a fidelização de clientes». Prevê-se assim que «apenas os players mais experientes, quer na promoção quer na gestão, conseguirão prevalecer num mercado cada vez mais agressivo e com cada vez menos oportunidades para explorar». Em 2008 está estimada a entrada de 217.000 m² de nova Área Bruta Locável (ABL), sendo que este valor mais que duplicará em 2009, com mais de 550.000 m². O comércio de rua, por seu turno, apresenta-se com uma dinâmica muito positiva, tendo conseguido atrair um leque mais diversificado de investidores, bem como um conjunto cada vez maior de insígnias de prestígio.

Fonte: Vida Económica




Recomendar a um amigo

Use o seguinte formulário
close