Mercado residencial do Porto atinge taxa de oferta de 10%

30 Maio 2008



Maia atinge taxa de oferta de 14,6%. A taxa de oferta habitacional na Área Metropolitana do Porto (AMP) ascendeu a 10,3% em 2007, de acordo com as estatísticas «Imométrica/LardoceLar.com».


O stock final de oferta residencial na Área Metropolitana do Porto (AMP) ascendeu a 62,1 mil alojamentos, um volume que, quando comparado com o parque habitacional da região (605 mil alojamentos, de acordo com os mais recentes dados do Instituto Nacional de Estatística), traduz uma taxa de oferta de 10,3%.
Vila Nova de Gaia regista maior número de alojamentos
De acordo com a Imométrica, Vila Nova de Gaia é o concelho da AMP com maior volume de alojamentos em oferta na base dados, concentrando cerca de 24,4% do total do stock em oferta.
Este concelho e o do Porto concentram, em conjunto, cerca de metade da oferta residencial na AMP, com mais de 30 mil alojamentos em venda. Ainda assim, os dois concelhos têm vindo a perder representatividade no total da oferta metropolitana, com uma queda conjunta de 3,1 pontos percentuais em termos do seu peso no stock final de habitação em venda entre 2006 e 2007.
Concelhos concentram peso na oferta
Já os concelhos da Maia e de Matosinhos incrementaram o seu peso na oferta residencial em cerca de 2,6 pontos percentuais em 2007, face ao ano anterior.
Estes dois concelhos registam a taxa de oferta mais elevada da AMP, com a Maia a atingir um máximo de 14,6%.
No caso do Porto e de Gaia, a taxa de oferta foi de 11,1% e 11,4%, respectivamente.
Todos os restantes concelhos da AMP, que, conjuntamente absorvem cerca de 20% da habitação em oferta na região, apresentam taxas de oferta abaixo da média metropolitana e inclusive de apenas um dígito.

Fonte: Agência Financeira




Recomendar a um amigo

Use o seguinte formulário
close