Proprietários exigem suspensão dos aumentos do IMI

8 Maio 2008



Mais de 50 mil prédios vão pagar mais 120 euros do que no ano anterior A Associação Nacional de Proprietários (ANP) está contra o aumento do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI).


As queixas dos proprietários, que foram surpreendidos este ano com as notas de cobrança do IMI, acrescidas de aumentos desenfreados, vão agora chegar às instâncias competentes.
De acordo com o comunicado da ANP, os referidos aumentos são «incomportáveis», não só o pagamento a dobrar sobre as casas devolutas, como o aumento de 30 por cento sobre prédios que necessitem obras, por pequenas que sejam e mesmo que só uma fracção delas necessite.
No caso de Lisboa o aumento foi decretado retroactivamente, lembram os proprietários, pois foi decidido em 27 de Novembro de 2007 para vigorar no Imposto pago em Abril de 2008 mas referente ao ano de 2007.
«Verifica-se que em cinco anos, a receita do IMI quase duplicou, pois passou de 663 milhões de euros em 2002, para 1,02 mil milhões, em 2007. Estes aumentos foram feitos na crença de que a valorização dos imóveis era infindável», diz ainda a ANP.
«Acontece que de há anos a esta parte a situação mudou e os proprietários que sofreram o congelamento de rendas ao longo de décadas, empobrecendo-os, vêem agora o que sobrou ser consumido pelo pagamento do IMI», acrescentam.
A ANP conclui também, referindo que, em 2008, há 56.700 prédios que vão pagar mais 120 euros que no ano anterior

Fonte: Agência Financeira




Recomendar a um amigo

Use o seguinte formulário
close