Malparado bate novo recorde em quase 2,4 mil milhões

22 Abril 2008



São cada vez mais as famílias que não conseguem pagar as prestações dos créditos contraídos junto da banca.


O crédito malparado não pára de subir e atingiu em Fevereiro um novo máximo nos 2.390 milhões de euros.
Este valor representa uma subida de 113 milhões face a Janeiro e outra de 226 milhões de euros face ao mesmo mês do ano passado, revelam dados do Boletim Estatístico do Banco de Portugal.
A maior fatia vai para o crédito à habitação, o que quer dizer que muitas famílias estão em risco de perder as suas casas. Neste segmento, o malparado ascendeu em 1.315 milhões, mais 20 milhões que em Janeiro e mais 129 milhões do que em Fevereiro de 2007.
Já no crédito ao consumo, os bancos estão com dificuldades em cobrar 569 milhões de euros, um valor que está 45 milhões acima do mês precedente mas 160 milhões acima do homólogo.
No crédito destinado a outros fins, o malparado está agora nos 505 milhões, 47 milhões a mais do que em Janeiro mas 64 milhões abaixo do que foi registado há um ano atrás.
Apesar do crescimento do malparado, os bancos continuam a ceder mais empréstimos, embora o crescimento tenha sido pouco significativo. Em Fevereiro o crédito concedido ascendia a 128.918 milhões, numa subida de 810 milhões face ao primeiro mês do ano e de quase 12 mil milhões face ao ano passado. O crescimento ocorreu tanto no crédito à habitação como no consumo. No crédito para outros fins, apesar do aumento mensal, regista-se uma descida homóloga.

Fonte: Agência Financeira




Recomendar a um amigo

Use o seguinte formulário
close