Investimento em imobiliário europeu cai 4% para 244 milhões

6 Março 2008



A actividade de investimento directo em imobiliário terciário na Europa alcançou os 244,1 mil milhões em 2007, ou seja, 4 por cento menos do que em 2006, revela a Jones Lang LaSalle no seu European Capital Markets Bulletin de 2007.


A consultora imobiliária adianta que, enquanto que os volumes transaccionados na Europa Continental permaneceram fortes, crescendo 7% para os 173 mil milhões face a 2006, o Reino Unido foi mais atingido do que outros países e a actividade de investimento directo em imobiliário terciário caiu para os 71 mil milhões em 2007, menos 22% face a 2006.
«No início de 2007, questionávamo-nos se alguns dos mercados europeus mais maduros teriam alcançado o seu tecto natural de yields, à medida que os custos de financiamento aumentaram a par com as subidas nas taxas de juro. Nessa altura, muito poucas pessoas poderiam prever a crise do crédito e as restrições dos mercados de crédito ao imobiliário que se seguiram. O aumento do custo e a menor disponibilidade de crédito definem o topo do ciclo de mercado. Apesar disso, alguns países como a Bélgica, a França, a Alemanha e a Espanha, registaram volumes recorde em 2007», realça head de European Capital Markets, Tony Horrell.
Preços estão a corrigir
Para o mesmo, o capital continua a ser atraído pelos mercados imobiliários europeus, mas a sua aplicação está a abrandar, devido à redução da confiança face a uma correcção de preços e a retornos mais baixos.
A Jones Lang espera ainda uma crescente transparência sobre os preços e que a confiança regresse ao mercado no final do ano.
«Contudo, é provável que seja tarde demais para evitar que o volume de operações de investimento na Europa caia cerca de 25% em 2008, em resultado de uma queda do volume no primeiro semestre e uma actividade de investimento mais lenta. Na segunda metade de 2008, se os mercados de ocupação de espaços não desapontarem, deveremos assistir a uma melhoria da confiança e ao retorno a um mercado activo de operações a preços mais em linha com as tendências de longo-prazo», acrescentam.
Investidores estrangeiros continuaram a dominar em 2007
De referir que os investidores estrangeiros continuaram a dominar em 2007, contabilizando 153 mil milhões de euros (63%) de actividade, embora durante a segunda metade do ano se tenha verificado uma alteração clara nos negócios domésticos, que totalizaram mais de 40% da actividade contra os 35% registados na primeira metade do ano, à medida que os investidores procuravam conforto nos seus mercados locais face a uma incerteza que permanecia.
No que toca aos investidores particulares, estes continuaram a ser players de destaque do mercado, com aquisições que totalizaram 36 mil milhões (15% do mercado), apesar da actividade ter abrandado durante o segundo semestre, resultado do impacto do maior custo do financiamento na sua competitividade.

Fonte: Agência Financeira




Recomendar a um amigo

Use o seguinte formulário
close