Taxa de juro implícita no crédito à habitação sobe em Maio

26 Junho 2007



A taxa de juro implícita no conjunto dos contratos de crédito à habitação fixou-se em Maio em 4,984%, uma subida de 0,049 pontos percentuais (p.p.) face a Abril e prolonga a tendência iniciada em Dezembro de 2005, refere o Instituto Na


A taxa implícita nos contratos celebrados nos últimos 3 meses aumentou 0,059 p.p., fixando-se em 4,570%. O valor médio por contrato do capital em dívida apresentou uma subida mensal de 268 euros e a prestação vencida situou-se em 323 euros.
A subida mensal da taxa de juro implícita no conjunto dos contratos em vigor ocorreu em todos os prazos considerados, verificando-se acréscimos mensais de 0,059 p.p. (últimos 3 meses), de 0,044 p.p.(últimos 6 meses) e de 0,036 p.p. (últimos 12 meses), fixando-se as respectivas taxas de juro implícitas em 4,570%, 4,483% e 4,558%.
Em Maio, o valor médio do capital em dívida no total dos contratos de crédito à habitação em vigor foi de 51.215 euros por contrato, traduzindo um acréscimo de 268 euros face ao mês anterior.
Quanto aos contratos de crédito à habitação celebrados nos últimos 3 meses, o montante médio do capital em dívida fixou-se em 89.089 euros, registando-se uma subida mensal de 1.134 euros. Nos contratos celebrados nos últimos 6 e 12 meses, registaram-se aumentos mensais de 956 e de 1.318 euros, com os respectivos montantes médios a situarem-se em 89.022 e em 85.890 euros.
O valor médio da prestação vencida nos contratos celebrados nos últimos 3 meses fixou-se em 416 euros, o que representou um acréscimo de 8 euros face a Abril, ficando este valor «bem acima do valor médio do conjunto dos contratos em vigor», que foi de 323 euros, refere o INE.
Nos contratos celebrados nos últimos 6 e 12 meses, os valores médios das prestações vencidas fixaram-se em 411 e em 404 euros respectivamente, superiores em 6 e em 8 euros aos valores verificados em Abril.

Fonte: Diário Digital




Recomendar a um amigo

Use o seguinte formulário
close