Habitação regista forte quebra de actividade

28 Abril 2010



O segmento de edifícios residenciais continua a registar uma forte quebra de actividade. De acordo com os últimos dados da Federação Portuguesa da Indústria da Construção e Obras Públicas (FEPICOP), no 1º trimestre de 2010 o índice de


Os números da federação revelam que a produção deste segmento encontra-se «em queda contínua desde 2001, tendo já perdido mais de 50% da sua produção. As expectativas de recuperação da actividade estão agora dependentes de uma verdadeira recuperação económica do país ou do arranque efectivo da reabilitação urbana.»

Mas a quebra na produção não ocorreu apenas neste segmento. No período em análise, a produção do sector da Construção regista quedas, em termos homólogos, em todos os segmentos de actividade, situação que não se verificava desde Novembro de 2006.

No segmento da construção de edifícios não residenciais, o índice de produção regista uma contracção de 4,5%, e na Engenharia Civil o decréscimo ascende a 14,8%.

«Efectivamente, à queda contínua do investimento privado, junta-se agora uma forte contracção do investimento público, tal como foi anunciado no Programa de Estabilidade e Crescimento», aponta a FEPICOP, no texto da Conjuntura da Construção (Abril).

No mesmo sentido, o Índice de Confiança na Construção, apurado no Inquérito Mensal à Actividade realizado pela FEPICOP em colaboração com a UE, mantém-se em níveis reduzidos, apresentando, em Março, uma quebra de 4,7% em termos homólogos, em resultado da descida acentuada da carteira de encomendas, que apresenta uma variação de -15,2%. Esta deterioração da carteira de encomendas assume particular expressão no segmento residencial, que diminuiu 33,5%, neste período.»

Fonte: Casa Sapo 






Recomendar a um amigo

Use o seguinte formulário
close