Região Oeste ajuda a explicar expansão de segundas residências em Portugal

16 Junho 2009



A região Oeste foi escolhida como exemplo para o primeiro estudo aprofundado sobre expansão de segundas residências em Portugal, que está a ser desenvolvido pelo Centro de Estudos do Território, Cultura e Desenvolvimento da Universidad


O Projecto SEGREX ? Expansão das segundas residências e planeamento do desenvolvimento territorial em Portugal, estuda um fenómeno que, segundo Zoran Roca, da coordenação científica do estudo, trouxe alterações à «identidade da região Oeste».

Zoran Roca explica a adopção desta região como exemplo com os dados dos últimos Censos, que revelam que «o crescimento, a expansão de segundas residências no Oeste, se situa acima da média nacional».

Também o Plano Nacional Estratégico de Turismo considerou a região Oeste, a par com o Algarve, como «uma das regiões com maior potencial para expansão do Turismo Residencial, largamente sustentado em segundas residências».

«O crescimento das segundas residências tem sem dúvida suscitado novos temas para investigação, já que envolve várias dimensões inter-relacionadas tais com tipo de residentes (nacionais, emigrantes, estrangeiros); estatuto da propriedade (proprietário, arrendatário); tempo (fim-de-semana, sazonal, alternância com a primeira residência); localização (áreas rurais e periurbanas, ?resorts?); finalidade (lazer, recreação, trabalho); origem (primeiras residências que se tornaram secundárias, residências construídas de propósito para esse fim); tipo de edifícios (novas construções, velhas casas rurais)», lê-se na apresentação do projecto.

Em Portugal, «a expansão de segundas residências já atinge grandes proporções: no período 1991-2001 o seu número aumentou 40%, correspondendo em 2001 a 20% do total de alojamentos. No entanto, apesar deste fenómeno ter induzido alterações significativas nas características da identidade de muitos lugares e regiões e de se ter tornado um importante desafio para a gestão e sustentabilidade dos territórios, continua a haver lacunas quanto à sua interpretação científica integrada».

Segundo Zoran Roca, este é o primeiro projecto de investigação que vai estudar, de forma aprofundada, todos os impactos, positivos e negativos, da expansão de segundas residências em Portugal.

Para o efeito, vários agentes ligados a este segmento de mercado vão ser inquiridos, tais como autarquias, juntas de freguesia, agências de turismo, e também agências de mediação imobiliária.

«Queremos georeferenciar as segundas residências para chegar ao ?segundo residente?», sustentou o investigador. A ideia é «conhecer toda a história, o mecanismo da oferta e da procura, quem compra, quem vende, falar com os ?segundos residentes?», e aferir o impacto ? social, económico, ambiental ? deste fenómeno na região.

O estudo, financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia, ficará concluído em 2011. Deverá servir de ?guia prático? a políticas futuras de ordenamento do território, tendo em vista uma «efectiva e eficiente integração da expansão das segundas residências nas políticas de desenvolvimento territorial e nos programas e instrumentos de planeamento».

Segundas residências em números
[Dados fornecidos pelo SEGREX] Dados do último Censo de Habitação do INE, em 2001:
> 20% do total de alojamentos em Portugal
> 25% do total de alojamentos na Região Oeste

Rápida expansão das segundas residências no último período intercensitário 1991-2001:
> 40% em Portugal
> 45% na Região Oeste

Distribuição das segundas residências por freguesias da Região Oeste:
> 17 freguesias concentram 56,7% do total de segundas residências
> 6 freguesias concentram 36,8% do total de segundas residências
> Um quarto das freguesias (31), tanto no litoral como no interior, apresentam percentagens acima dos 25%
[Fonte: Censo de Habitação 2001 do INE]
Resorts com segundas residências na região Oeste
Depois do Algarve, o Oeste é o principal destino para este tipo de investimento. Em meados de 2008 foram identificados 18 resorts com oferta de segundas residências:
> 2 concluídos,
> 2 em ampliação,
> 2 em construção,
> 6 em fase de lançamento,
> 6 em fase de elaboração de projecto ou de aprovação pelas autoridades competentes.

São em número de 13 os resorts localizados em freguesias litorais, havendo apenas 5 em freguesias interiores, mas bastante próximos do litoral, com excepção de um resort junto à Serra de Montejunto.
[Fonte: Projecto SEGREX]

Fonte: Casa Sapo




Recomendar a um amigo

Use o seguinte formulário
close