Reabilitação em Lisboa com 22% das novas promoções nos últimos 15 meses

28 Maio 2009



Lisboa tem reforçado a sua expressão na reabilitação, segundo os números revelados pelo Confidencial Imobiliário.


As obras de reabilitação têm vindo a ganhar expressão nas principais cidades do país, com especial destaque para Lisboa, na qual cerca de 22% das declarações provisórias de eficiência energética (DCR) atribuídas pela ADENE entre Janeiro de 2008 e Março de 2009 dizem respeito a promoções desta natureza.
A informação é baseada nas estatísticas Ci-Obras & Negócios, uma base de dados de promoção imobiliária que permite acompanhar o pipeline de construção segundo o nível de eficiência energética, tratando informação cedida pela ADENE e por diversas Câmaras Municipais do país, no âmbito de um protocolo estabelecido com a Confidencial Imobiliário. Nas cidades do Faro, Porto e Coimbra a reabilitação corresponde a cerca de 8%, 7% e 6%, respectivamente, do total de DCR?s emitidos para o mesmo período. António Gil Machado, Administrador da Confidencial Imobiliário, explicou, durante a sua comunicação na Tektónica 2009: ?Há um crescimento importante do peso da reabilitação no total dos projectos de promoção imobiliária aos quais foram atribuídos certificados de eficiência energética, sendo claro que este é um fenómeno sobretudo urbano, com especial impacto nas mais importantes cidades portuguesas. Aliado a este crescimento, temos ainda o desenvolvimento do mercado de arrendamento habitacional, tem vindo a apresentar um crescimento importante da oferta na generalidade das cidades, mas com maior incidência nas duas principais áreas metropolitanas. Estão reunidas, à partida, duas condições importantes para o impulso do mercado de reabilitação nas principais zonas urbanas de Portugal?.
No total do território nacional nos últimos 15 meses, a média de obras para reabilitação é de 6,5% do total de DCR?s emitidos. Do total de 1191 novas promoções destinadas a reabilitação, apenas 15,6% são para uso não habitacional, contra 84,4% emitidas para obras de renovação de imóveis residenciais. No que respeita à classe energética do total de obras para reabilitação, o domínio cabe às categorias B e B-, que em conjunto, concentram 51% dos DCR?s para reabilitação. Não obstante, a classe A tem o maior peso individual no que respeita uma categoria energética, com 34% dos certificados provisórios emitidos para obras de remodelação. De acordo com António Gil Machado, esta preponderância pode dever-se ao facto de ?haver maior dificuldade nos processos de reabilitação em cumprir requisitos no âmbito da certificação energética, tendo em conta a necessidade de intervir em estruturas já pré-existentes?. Fonte: Vida Imobiliária




Recomendar a um amigo

Use o seguinte formulário
close