Encomendas na Construção com evolução negativa

28 Maio 2007



As novas encomendas na Construção e Obras Públicas registaram uma evolução negativa no primeiro trimestre deste ano, revela o INE.


Um estudo do Instituto Nacional de Estatística (INE) aponta para uma descida no que respeita a novas encomendas na construção e obras públicas.
De acordo com o INE, no 1º trimestre de 2007, a taxa de variação homóloga das novas encomendas na construção foi de -27,4%, inferior em 26,2 pontos percentuais (p.p.) face ao registado no trimestre anterior.

Estes números, esclarece o instituto, em comunicado, resultam de «comportamentos semelhantes por parte dos dois segmentos considerados».Ou seja, o segmento de Construção de Edifícios registou «uma variação homóloga de -26,2%», o que corresponde a um «agravamento de 17,8 p.p. face ao verificado no 4º trimestre de 2006». Já o segmento Obras de Engenharia registou «uma variação homóloga de -29,7%, agravando-se em 45,7 p.p. relativamente ao período anterior».
No 1º trimestre deste ano, e comparativamente com o trimestre anterior, o índice de novas encomendas na construção diminuiu 17,8%, conclui o INE. Os dois segmentos «registaram comportamentos negativos, tendo o de Obras de Engenharia recuperado 26,7 p.p., situando-se a variação trimestral em -18,3%». O segmento de Construção de Edifícios «registou um agravamento de 15,5 p.p., correspondendo a uma variação trimestral de -17,5%»
De referir, segundo nota explicativa do INE, este Índice de Novas Encomendas na Construção e Obras Públicas tem como objectivo fornecer uma indicação sobre a evolução da procura de produtos e serviços, como indicação da produção futura.


Fonte: Casa Sapo




Recomendar a um amigo

Use o seguinte formulário
close